segunda-feira, 18 de outubro de 2010



Nunca gostei de primeiros encontros. Nao sabemos o que falamos, não conhecemos o outro, considero uma das situações mais constrangedoras que possa existir. Mas, como mulher e como apreciadora da arte de degustar um bom prato de comida, digo o pior desse momento é ter que comer pouco para não assustar o pretendende.
Sorte da mulher que vive de regime, certamente não tem problemas com isso, talvez se sinta satisfeita somente com a entrada , e nem sonha com a sobremesa. Pra mim sempre foi uma tortura,até que alguns anos atras eu cansei e decretei que a partir daquele momento iria agir naturalmente.
Nunca fui tao feliz. E a situação que costuma ser embaraçosa se minimizava junto a naturalidade que passei a usar.O encontro podia ser um "barco furado", mas pelo já me permitia comer sem medo de achar que o cara me comparasse com a Magali.
Tenho uma amiga que sempre que saia de um primeiro encontro voltava morrendo de fome, ai me vem a sombria ideia, de um dia, após um programa desses o rapaz olhar para a moça e ao dizer que vai deixa-la em casa, e ela olhe e diga, não, me deixa ali no Miléo por favor.

Um comentário:

  1. Estive já por aqui e cá estou outra vez. Belo espaço para as letras, para a poesia, para o pensamento... para tornarmos mais claros nossos caminhos! Ao mesmo tempo em que te mobilizo para removermos este triste índice de 2 livros/ano por leitor brasileiro (na Argentina são dezoito livros/ano),
    te convido a conhecer meus romances. Em meu blog, três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
    Um grande abraço e boa leitura!

    ResponderExcluir